GESTÃO DE TEMPO – O MAIOR DESAFIO DOS EMPRESÁRIOS

24 horas podiam ser suficientes para Jack Bauer salvar o Mundo, na famosa série 24, mas para muitos pequenos empresários, não chegam para fazer face a todos os desafios que a sua empresa lhes lança e todos os papéis que têm a desempenhar, equilibrando o chefe, com o administrativo, o estafeta com o criativo, juntando-se a isto o equilíbrio com a vida pessoal e o tão necessário descanso.  

Especializada em apoiar empresários, a The Alternative Board® fez uma pesquisa interna com alguns dos mais de 25 mil empresários que passaram pela organização, para tentar perceber onde os empresários gastam o seu tempo.

A pesquisa concluiu que apesar de os empresários inquiridos considerarem que deviam trabalhar uma média de 42 horas por semana, 63% admitem trabalhar mais de 50 horas, com a média dos inquiridos nas 49, quase um dia de trabalho extra em relação ao pretendido.

O problema não é, no entanto, apenas a quantidade de horas, mas a forma como são utilizadas. 73% dos empresários afirma preferir realizar atividades estratégicas, mas apenas 32% do seu tempo é despendido nisso, usando a maioria das suas horas a realizar tarefas administrativas, atendimento ao cliente ou tarefas orientadas que podiam ser delegadas a um funcionário.

A principal dificuldade dos empresários é o de combater a tirania do urgente, distraindo-se com as tarefas menos importantes, mas com maior sentido de urgência, ao invés de se focarem o seu tempo e energia nas responsabilidades vitais da liderança e, sobretudo, conseguir um maior equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional.

A The Alternative Board reuniu uma série de dicas e aprendizagem, sugeridas pelos seus membros, todos eles empresários, sobre como se conseguiram disciplinar e começar a gerir melhor o seu tempo:

  • Não ser um estafeta

Frequentemente o empresário faz mais do que as suas próprias tarefas, perdendo tempo precioso em funções que podiam ser delegadas a colaboradores ou subcontratadas. Da próxima vez pense se o investimento de subcontratar essa função, não seria rentabilizado se lhe permitisse focar nas suas tarefas principais.

  • Manter o foco

A nossa capacidade de concentração varia ao longo do dia, pelo que é essencial perceber quais são as nossas horas mais produtivas e reservá-las para algumas tarefas que exijam maior concentração. Preencher a agenda com demasiadas atividades diferentes pode também ser prejudicial, pois não nos permite focar a 100% ou “mudar o chip” entre uma e outra. Se possível, tente concentrar todas as reuniões num dia específico, por exemplo, evitando que ao longo da semana esteja sempre a interromper outras tarefas para ir a uma reunião.

  • Evitar interrupções

Se uma tarefa exige concentração, não podemos estar atentos a 10 outras ao mesmo tempo. Desligue as notificações do e-mail, tire o som ao telemóvel e peça aos seus colaboradores para não o interromperem durante um período pré-determinado de tempo e verá que algumas tarefas que se arrastavam por uma tarde inteira, ficam despachadas em poucas horas.

  • Criar procedimentos

Muitos empresários recorrem à memória e à sua experiência para funcionarem no seu dia-a-dia, especialmente no que diz respeito a processos repetitivos. Contudo, a dependência quase por completo dos conhecimentos de uma única pessoa implica que todas as decisões sejam despejadas nos seus ombros. Assim, um mecanismo que pode ajudar nestas situações é deixar tudo por escrito, de forma pormenorizada. Algo que, para um empresário experiente, é quase instintivo, pode ser um grande quebra-cabeças para um novo colaborador e, ao deixar os processos por escrito, evitam-se confusões e falhas de comunicação. Além disso, pode passar algumas decisões para outras pessoas, libertando algum stress.

  • Aprender a não controlar

Abdicar do controlo pode ser assustador e muitos empresários sentem alguma dificuldade em confiar decisões aos seus colaboradores, preferindo fazer tudo sozinhos ou controlando atentamente cada etapa do processo. Isto não só limita o desenvolvimento de autonomia dos colaboradores, como aumenta o stress e a sua capacidade de se focar naquilo em que é essencial, pondo em causa o sucesso da empresa.

É sempre importante manter em mente o facto de que uma empresa funciona através da colaboração entre todos os trabalhadores e que, mesmo que existam algumas falhas nas primeiras tentativas, um colaborador nunca vai conseguir assumir uma tarefa de forma autónoma se não lhe for dada essa oportunidade.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.